Arquivo do mês: novembro 2009

A brazil film útjai… passou

stencil moziKedves barátaim / caros amigos (meus), desculpem a demora em atualizar o blog. Uma mistura de outras atividades pedindo atenção e urgência mais uma sequia temporário de imaginação e idéias me mantiveram longe daqui este último mês de pouco. Mas aqui estamos outra vez.

Descobri esses dias no hírlevél/híír-levêêl/ (informativo, literalmente carta, levél, (de) notícia, hír) da Comunidade Húngara de São Paulo que de 28 de outubro a 1 de novembro agora rolou em Budapeste a mostra A Brazil Film Útjai (rumos do cinema brasileiro).

Além de curioso pelo evento, fiquei com saudades porque o filmes passaram no Művész Mozi, meu cinema favorito na cidade, um dos três da cadeia Art Mozi, onde só costuma passar filme de boa qualidade, inclusive os ditos “de arte”, que os cinemas convencionais (hoje quase tudo nos shoppings, como aqui) refugam porque dão pouco público. O site da mostra está aqui, pra quem quiser conferir.

CIMG2242

Művész Mozi, uma das portas da frente

Sobre o nome do cinema: Művész quer dizer ‘artista’, vem de , obra, composição, artefato, coisa feita pelo homem, uma raíz que aparece num grande número de palavras, inclusive de significados aparentemente díspares, como műanyag (plástico), műbarát (apreciador de arte), műasztalos (marceneiro), műbíraló (crítico de arte), műbolygó (satélite artificial), műépitész (arquiteto), műfog (dente postiço), műhely (oficina), műkedvelés (amadorismo), műsor (programação), e működés (funcionamento) só pra dar alguns exemplos. O que todas elas têm em comum é a conexão com algo feito pela mão do homem, não encontrado na natureza.

Mozi /môzi/, por sua vez, é cinema mesmo, lugar onde passam filmes, o movie theatre dos americanos, ou cinema dos ingleses e nosso. Daí, convidando alguém pra ir ao cinema dizemos: menjük a moziba, onde o –ba final equivale a ‘para dentro de’, já que, como vimos antes, o magiar é língua aglutinativa, ajunta ao final das palavras partículas que nas línguas indo-européias geralmente são palavras separadas, como preposições, conjunções e pronomes possessivos, pra quem ainda sabe o que é isso, risos.

misetics10A pergunta ‘o que está passando no cinema?’, por exemplo, já vai implicar noutro sufixo pra mozi, fica: Mit játszanak a moziban? já que agora não se trata de ‘para dentro de’ e sim de ‘no/na/dentro de’, e aí o sufixo é –ban, sacou? A pergunta diz literalmente: ‘O que tocam/brincam/executam o cinema-no?’, porque o verbo játszani pode ter esses vários significados e ser usado pra brincadeira de criança,pra música e, como vimos, pro cinema também.

Curiosamente, embora játék /jáátêêk/ signifique jogo, bincadeira, execução, interpretação, játékfilm quer dizer filme de longa-metragem. Dessas surpresas que toda língua tem. Por exemplo, ouvi hoje na TV uma garota contando uma história e dizendo “àquela altura”, referindo-se, obviamente a um determinado tempo. E pensei: puxa, nós usamos “altura” pra nos referir a tempo… como será que um estrangeiro aprendendo o português vê isso…

Finalmente, quem conferir o site do Brazil Film Útjai e parar com o mause sobre a foto de cada um deles, vai ver surgir uma tela meio transparente com os créditos dos filmes. Aí provavelmente perceberão que: rendező é diretor, forgatókönyv é roteiro, operatör é o diretor de fotografia, vagó é editor, zene é música, e szereplők são os atores. Depois vem uma seção chamada leirás, descrição, e, em alguns casos, díjak, prêmios.

abraços.
2009 november 1.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized