Kodály Zoltán, mestre da música

Este post é oferecido ao grande João da Mata Costa, que outro dia no Substantivo Plural (http://www.substantivoplural.com.br/) me deu o mote pra tratar das duas almas musicais magiares mais célebres, Kodály e Bártok.

Quem tem alguma ligação com música clássica certamente já ouviu falar de Kodály Zoltán, ou pelo menos do método de aprendizagem de música que leva seu nome. Quando João chamou a minha atenção, eu me dei conta de que conhecia pouquíssimo sobre a música de Kodály, apesar das minhas idas e vindas à Hungria, e de considerável exposição à musica clássica na época em que vivi lá.

Kodály regendo de pijamas?

Kodály regendo de pijamas?

Primeira coisa: a pronúncia húngara do nome é “Kódááy”, ou “Kódáái”, porque embora a letra húngara ly corresponda mais ou menos ao nosso lh, sendo que um pouco menos “molhado”, mais perto do “moyiado” dos nossos matutos, quando ela aparece no final da palavra vira mesmo um “y”, ou “i”. Portanto a pronúncia que se conhece, “Kodáli”, é uma invenção de estrangeiros que não conhecem os sons do magiar. E como estamos falando de um grande mestre magiar dos sons, acho que vale a pena aprender a pronunciar seu nome corretamente, certo?

Kodály nasceu em 1882 em Kecskemét (pron. “Kétch-ké-mêêt”), a bela capital do condado de Bács-Kiskun (de lindo som sincopado: “batch-kish-kunn”), 86 km a sudeste de Budapeste, no coração do Dél-Alföld magiar, a parte Sul (Dél) da grande planície húngara de que já falamos noutra ocasião. Mas de lá partiu cedo, foi estudar em Galanta e Nagyszombat, ambas hoje pertencentes à Eslováquia, e terminou em Budapeste, na Liszt Ferenc Zeneakadémia, Academia de Música Franz Liszt, o destino dos bons, de onde se tornou professor em 1907.

interior do Teatro Katona József, Kecskemét

interior do Teatro Katona József, Kecskemét

No final das contas Kodály ficou muito conhecido também pela sua contribuição à etnomusicologia, com uma pesquisa sistemática das formas musicais populares da Hungria, da Bacia dos Cárpatos em geral e dos Bálcãs, que em muito influenciaram e inspiraram suas composições eruditas, como poderão constatar adiante. Nesse trabalho, percorrendo pequenas vilas e povoados da Hungria e Romênia ele foi acompanhado de seu amigo Bartók Béla (1881-1945). Sua permanencia em Budapeste durante a Segunda Guerra Mundial, quando a cidade sofreu enormente com a destruição causada pelos nazistas em retirada, foi vista como um ato de genuíno patriotismo. Ao morrer, em março de 1967, Kodály já era considerado um herói nacional, e tornara-se uma figura central da vida musical e intelectual magiar.

kodaly-szines-poster1
Quanto ao conhecido Método Kodály de ensino de música, na verdade não foi sistematizado pelo pelo próprio maestro, embora tenha sido inspirado nas suas idéias sobre educação. Kodály defendia que a música tinha que fazer parte da educação integral ser humano desde o jardim de infância, com o mesmo número de horas e mesma ênfase dada às matérias convencionais durante todo a vida escolar dos jovens cidadãos.

Kodály e Bartók em 1908

Kodály e Bartók em 1908

Há muita informação disponível sobre o mestre Kodály na internet, inclusive em português. Proponho que, sem mais delongas, escutemos alguma coisa do que ele compôs. Começando com a assombrosa Sonata para Violoncelo Solo op,08, na interpretação visceral e de Starker János (1924), húngaro de nascimento, e desde 1958 professor da Indiana University Jacobs School of Music.
Pra mim há um universo fabuloso de referências populares e eruditas nessa Sonata, chego a ouvir até violas e rabecas dos nossos cantadores. Escutem os três movimentos, sobretudo o terceiro, e digam-me se estou delirando…

Nota sobre vocabulário musical húngaro. Uma das coisas que me fascinaram na Hungria é que no geral eles não adotaram nem adaptaram o vocabulário internacional para as coisas de música, com pequenas excessões, como klarinet e oboa. Começa que música é zene, daí Zeneakadémia. Piano é zongora, violino é hegedű, viola é brácsa, viloncelo é gordonka, contrabaixo é nagybőgő, e flauta é fuvola, trombone é harsona, percussão é ütés, e por aí vai…

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em Uncategorized

7 Respostas para “Kodály Zoltán, mestre da música

  1. Lívio Oliveira

    Caro amigo Chico,

    O site está sensacional! Que grande novidade!
    Abraços!
    Lívio Oliveira

  2. Edu

    Estamos todos delirando com você!
    Szuper!!!!

  3. Caro Chico,

    Maravilha, voce nos trazer essa rica cultura para Natal. Fiz um curso com um Hungaro em Natal sobre o método Kodaly. Adorei.
    Adorei conhecer mais sobre esse grande compositor e musicólogo. Hungria, pais que adora a música. Também adoro Bela Bartok. Depois nos fale um pouco sobre ele.

    Abração,

    Parabéns pelo belo Blog

  4. Pingback: Bartók: acolher diferenças com Música « HungriaMania

  5. Maria Esmeralda Demattê

    Caro Chico

    Fiquei encantada por descobrir um brasileiro louco pela cultura húngara.
    Quando eu tinha 5 anos, assim do nada, pedi para minha mãe fazer uma fantasia de húngara para eu brincar no Carnaval, e ela fez. Também tenho hungaromania.
    Obrigada pela sonata de Kodály e pela interpretação de János Starker, ambas deslumbrantes.

  6. Muito bom ler sobre dois mitos da música Húngara. Tive o prazer de conhecer e estudar com Ian Guest que foi meu professor por três momentos em Brasília e Roraima, onde ele nos mostrou toda genialidade de Kodaly e Bartok.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s